Ícone de UsuárioProfissionais de Saúde
Campanha incita os profissionais de saúde a “Correr pelo Coração”

A Recordati, a partir do dia 15 de setembro e até 15 de outubro, compromete-se a doar por cada quilómetro percorrido, 5 cêntimos à Fundação Portuguesa de Cardiologia. A campanha, que dá pelo nome de “Correr pelo Coração”, pretende alertar para as doenças relacionadas com a saúde cardiovascular e mobilizar os profissionais de saúde a darem o seu contributo, correndo e registando os quilómetros realizados.

 

Através do site correrpelocoracao.pt, o profissional de saúde poderá registar-se e, a partir daí, começar a registar todos os quilómetros percorridos e realizados durante todo o período em que dura a campanha.

Não existe um número de quilómetros definido, qualquer profissional de saúde, independentemente da sua especialidade, poderá inscrever-se, pois não há melhor conselho a dar aos seus pacientes do que o seu próprio exemplo.

Os três profissionais de saúde que tiverem feito mais quilómetros durante o mês e de forma mais regular, ganham um lugar de destaque no pódio da Recordati.

 

Correr pelo coração e ganhar saúde

O sedentarismo é uma das principais causas das doenças cardiovasculares e a corrida é uma forte aliada da saúde do coração. Os benefícios associados à corrida ou marcha são vários, ajudando a fortalecer o coração, melhorando a circulação sanguínea, atuando como um antidepressivo natural, combatendo o stress e favorecendo o bem-estar do corpo e da mente.

Para o ajudar com o seu programa de corrida, no site correrpelocoracao.pt encontrará dois planos de corrida, um para 10 kms e outro para 21kms, onde o participante poderá fazer download e encontrará as melhores dicas para começar a correr da forma mais prática de forma a conseguir atingir os seus resultados. 

Por cada quilómetro percorrido e registado, a Recordati compromete-se a dar 5 cêntimos à Fundação Portuguesa de Cardiologia para o alerta e combate às doenças cardiovasculares.

 


Fonte: www.atlasdasaude.pt/noticias/campanha-incita-os-profissionais-de-saude-correr-pelo-coracao