O que são Probióticos?

Os probióticos são suplementos alimentares contendo microrganismos vivos que afectam de forma benéfica o equilíbrio fisiológico do hospedeiro. Melhoram a capacidade digestiva e as defesas intestinais, reduzem a inflamação, com consequente diminuição da apetência alérgica, modulam a imunidade intestinal e sistémica e reduzem a actividade de alguns microrganismos carcinogénicos.13

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO – 2001), são “Microrganismos vivos que, administrados em quantidades adequadas, promovem benefícios na saúde do organismo do hóspede”.

 

Advertências:

Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. Os produtos devem ser guardados fora do alcance das crianças.

 

Probióticos e o surto global do COVID-19

  • Os probióticos podem proteger contra a infecção pelo vírus SARS-CoV-2 e ajudar a evitar o COVID-19?
  • Os probióticos podem ajudar nosso sistema imunológico a prevenir ou combater infecções por coronavírus?
  • Quais são os fatos científicos e as fontes confiáveis?

Encontre abaixo informações resumidas e atualizadas sobre este tópico. Note que até o momento, as informações científicas que temos sobre o atual surto de COVID-19 em termos de transmissão viral, fisiopatologia e controle de doenças ainda são preliminares e podem mudar com o passar do tempo e mais informações se tornarem disponíveis.

 

Probióticos e doença de COVID-19

Como não há vacina disponível ou tratamento clinicamente eficaz comprovado no momento, segundo as orientações da DGS, a prevenção de COVID-19 passa por: 

  • Distanciamento social: manter distância de pelo menos um metro;
  • Evitar cumprimentos que impliquem contacto físico;
  • Etiqueta respiratória:
    • Tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir;
    • Utilizar um lenço de papel ou o braço, nunca com as mãos;
    • Deitar o lenço de papel no lixo;
    • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir.
  • Reforçar as medidas de higiene;
  • Lavar frequentemente as mãos com água e sabão ou com uma solução de base alcoólica;
  • Evitar contacto próximo com doentes com infeções respiratórias;
  • Reforço do sistema imunológico.

O nosso corpo, e especialmente o nosso intestino, é o lar de trilhões de bactérias benéficas que vivem em perfeita harmonia, ajudando-nos a digerir alimentos, eliminando toxinas, produzindo moléculas ativas e educando nosso sistema imunológico a nos proteger contra micróbios nocivos.

Os cientistas denominaram esse ecossistema microbiano como microbioma intestinal1. Hoje, a ciência alcançou um nível sólido de entendimento das correlações observadas entre a estrutura e composição do microbioma intestinal e o estado de saúde ou doença. 

Recentemente observou-se que uma alteração da homeostase fisiológica da microbiota intestinal, também conhecida como disbiose, está correlacionada com algumas doenças.

A disbiose associada à perda de diversidade de espécies foi correlacionada com doenças muito diversas, desde diarréia associada a antibióticos e diabetes tipo 2 ou doenças infecciosas comuns, entre outras2.

 

As bactérias probióticas podem interagir com o microbioma intestinal para reforçar o nosso sistema imunológico, aumentar as respostas imunológicas e promover sinalização imunológica específica com relevância fisiológica3-4.

 

Durante as últimas décadas, vários probióticos demonstraram prevenir e/ou diminuir a duração de infecções bacterianas ou virais. A maioria das informações disponíveis hoje sobre o reforço da saúde imunológica por meio de probióticos foi demonstrada em modelos animais. Em camundongos, a inoculação intranasal de L. reuteri ou L. plantarum tem demonstrado efeitos protetores contra a infeção letal pelo vírus da pneumonia5.

No entanto, mesmo que alguns padrões sejam comuns, nem todos os probióticos envolvem os mesmos mecanismos de ação. A especificidade da estirpe é crucial para definir o probiótico correto para a indicação correta. 

Demonstrou-se que a estipe Lactobacillus Reuteri DSM 17938 protege contra infecções do trato respiratório superior e infecções gastrointestinais em crianças de 6 meses a 3 anos6, e reduz a incidência de diarreia em crianças de 1 a 6 anos7,8.

Um estudo randomizado, controlado por placebo, com L. reuteri ATCC 55730 mostrou melhoria da salubridade no local de trabalho, reduzindo as licenças médicas de curto prazo causadas por infecções respiratórias ou gastrointestinais em trabalhadores na Suécia9. Ainda, uma metanálise recente mostrou que os probióticos podem estar associados ao menor uso de antibióticos em bebés e crianças no contexto de redução do risco de infecções agudas comuns10.

Além disso, probióticos e prebióticos demonstraram ser eficazes no aumento da imunogenicidade, influenciando as taxas de soroconversão (surgimento de um anticorpo específico no soro de um paciente) e seroproteção (intervalo de tempo durante o qual um anticorpo específico se desenvolve como resposta a um antígeno e se torna detectável no soro) em adultos inoculados com vacinas contra influenza11.

Combinar probióticos com vitaminas também pode ser uma estratégia válida para impulsionar o sistema imunológico de maneira genérica. Por exemplo, a vitamina D pode modular a resposta imune inata e adaptativa além de seus efeitos na homeostase óssea e de cálcio. De fato, foi demonstrado que não apenas o receptor de vitamina D é expresso na superfície das células imunes, mas também que todas as células imunológicas são capazes de sintetizar o metabólito da vitamina D12.

 

Conclusões

Não existe uma justificativa científica do uso de probióticos para proteger, prevenir ou tratar a infecção por COVID-19 e SARS-CoV-2 especificamente.

No entanto, o reforço do nosso sistema imunológico por qualquer estratégia cientificamente válida, faz sentido. É importante ajudar na manutenção de uma diversidade microbiana intestinal saudável e prevenir a disbiose intestinal em idosos, bebés e na população em geral. Combinar uma dieta saudável e equilibrada com probióticos, suplementação vitamínica, entre outros, poderá ajudar no reforço do nosso sistema imunológico durante o surto de COVID-19.

 

Sobre Lactobacillus Reuteri Protectis:

  • Lactobacillus Reuteri Protectis, é um probiótico que ajuda na manutenção de uma Microbiota saudável, promovendo o equilíbrio Intestinal e conferindo proteção contra agentes patogénicos6-7.
  • Lactobacillus Reuteri Protectis, é uma das estirpes com mais evidência científica da sua eficácia e segurança6-8. O Lactobacillus Reuteri Protectis é uma das poucas estirpes cujo habitat natural é o aparelho digestivo humano, logo é especialmente adaptado para prosperar nesse meio ambiente1-4.
    Geralmente o Lactobacillus Reuteri Protectis está entre as primeiras espécies bacterianas a colonizar naturalmente o trato gastrointestinal do recém-nascido. A maioria das outras estirpes probióticas são habitantes temporários ou transitórios do trato gastrointestinal, derivados da ingestão de alimentos11.
  • Lactobacillus Reuteri Protectis produz uma substância antimicrobiana, a Reuterina, que inibe o crescimento de microorganismos patogénicos (maus). Ao mesmo tempo L. Reuteri apoia as populações de outras bactérias boas, que fazem parte da microbiota normal e saudável4.

 

Nota: Os suplementos alimentares têm como principal objetivo complementar a alimentação e suprimir a carência de determinados nutrientes. Mesmo com uma alimentação correta nem sempre é possível corresponder as necessidades do organismo. (Suplementos alimentares - os benefícios para a saúde, 2019) 

 

Referências

  1. Qin J, et al. A human gut microbial gene catalogue established by metagenomic sequencing. Nature. Mar 4;464(7285):59-65 (2010).
  2. Le Chatelier E, et al. Richness of human gut microbiome correlates with metabolic markers. Nature. Aug 29;500(7464):541-6 (2013).
  3. Yan F, Polk DB. Probiotics and immune health. Curr Opin Gastroenterol. 2011 Oct;27(6):496-501. doi: 10.1097/MOG.0b013e32834baa4d. Review.
  4. Wieërs G, Belkhir L, Enaud R, Leclercq S, Philippart de Foy JM, Dequenne I, de Timary P, Cani PD. How Probiotics Affect the Microbiota. Front Cell Infect Microbiol. 2020 Jan 15;9:454. doi: 10.3389/fcimb.2019.00454. eCollection 2019. Review.
  5. Gabryszewski SJ, Bachar O, Dyer KD, et al. Lactobacillus-mediated priming of the respiratory mucosa protects against lethal pneumovirus infection. J Im- munol 2011; 186:1151 – 1161.
  6. Gutierrez-Castrellon P, Lopez-Velazquez G, Diaz-Garcia L, Jimenez-Gutierrez C, Mancilla-Ramirez J, Estevez-Jimenez J, Parra M. Diarrhea in preschool children and Lactobacillus reuteri: a randomized controlled trial. Pediatrics. 2014 Apr;133(4):e904-9. doi: 10.1542/peds.2013-0652. Epub 2014 Mar 17.
  7. Agustina R, Kok FJ, van de Rest O, Fahmida U, Firmansyah A, Lukito W, Feskens EJM, van den Heuvel EGHM, Albers R, Bovee-Oudenhoven IMJ. (2012). Randomized trial of probiotics and calcium on diarrhea and respiratory tract infections in Indonesian children. Pediatrics 129: e1155-e1164.
  8. Weizman Z1, Asli G, Alsheikh A. Effect of a probiotic infant formula on infections in childcare centers: comparison of two probiotic agents. Pediatrics. 2005 Jan;115(1):5-9.
  9. Tubelius P1, Stan V, Zachrisson A. Increasing work-place healthiness with the probiotic Lactobacillus reuteri: a randomised, double-blind placebo-controlled study. Environ Health. 2005 Nov 7;4:25.
  10. King S, Tancredi D, Lenoir-Wijnkoop I, Gould K, Vann H, Connors G, Sanders ME, Linder JA, Shane AL, Merenstein D. Does probiotic consumption reduce antibiotic utilization for common acute infections? A systematic review and meta-analysis. Eur J Public Health. 2019 Jun 1;29(3):494-499. doi: 10.1093/eurpub/cky185.
  11. Lei WT1, Shih PC2, Liu SJ3, Lin CY4, Yeh TL5. Effect of Probiotics and Prebiotics on Immune Response to Influenza Vaccination in Adults: A Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Nutrients. 2017 Oct 27;9(11). pii: E1175. doi: 10.3390/nu9111175.
  12. Aranow C. Vitamin D and the immune system. J Investig Med. 2011 Aug;59(6):881-6. doi: 10.2310/JIM.0b013e31821b8755.
  13. Alimentos Funcionais: Conceitos, Definições, Aplicações e Legislação.

 

Referências Sobre Lactobacillus Reuteri Protectis

  1. Wu Ry et al. Neurogastroenterol. Motil.2013; 25: e205-e214;
  2. Indrio F. Et al. Publicado online a 13 de Janeiro de 2014 in JAMA Pediatrics.
  3. Liu, Y et al. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2012: 302: G808-G817;
  4. Valeur et al 2014; 
  5. FAO/WHO (2001, 2002) Joint Working Group Guidelines for Probiotics in Food. Gramatically modified by ISAPP (2013);
  6. Emara M et al. Therap Adv Gastroent. 2014. 1(1): 4-13;
  7. Lionetti et al . Alim. Pharmacol. Ther 2006 24 1461-1468;
  8. George Kerry, R et al. (2019). Benefaction of probiotics for human health: a review. Disponivel.
  9. Palm NW, de Zoete MR, Flavell RA. Immune-microbiota interactions in health and disease. Clin Immunol. 2015 Aug;159(2):122-127. Epub 2015 Jun 30. Review. PubMed PMID: 26141651; PubMed Central PMCID: PMC4943041;
  10. Mu Q et al. Role of Lactobacillus reuteri in Human Health and Diseases. Front Microbiol. 2018; 9: 757.;
  11. Garica Rodena Cl. Et al. 2016 Effect of Formula Containing Lactobacillus reuteri DSM 17938 on Fecal Microbiota of Infants Born by Cesarean-Section. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2016 Dec;63(6):681-687. + Francavilla R. Intervention for Dysbiosis in Children Born byC-section. Ann Nutr Metab 2018;73(suppl 3):33–39.