Na XIV edição do Barómetro Human Resources, o destaque foi para o tema do rejuvenescimento do capital humano nas organizações. Será que este é um tema que deva preocupar os gestores? Estarão as empresas preparadas para receber as novas gerações? E estão preparadas para aproveitar o know-how e experiência dos mais seniores? A gestão multigeracional afigura-se como um problema internamente? Foram algumas das perguntas que colocámos ao nosso painel de especialistas.

Na sequência da apresentação do estudo do Fórum Económico Mundial. "The Global Human Capital Report 2017", quisemos também saber se os inquiridos tinham ficado surpreendidos com os resultados alcançados por Portugal e, ainda, se estão a apostar em programas de retenção de talento nas suas organizações.

Como habitualmente desde a primeira edição do Barómetro, fizeram parte cio questionário as três perguntas fixas, sobre evolução do emprego, número de colaboradores e salários.

O painel do Barómetro Human Resources conta com mais de 150 especialistas que, mensalmente, são desafiados a partilhar as suas perspectivas sobre temas na ordem do dia no que à Gestão de Pessoas diz respeito. São maioritariamente directores de Pessoas (75%), mas o painel conta também com presidentes/chief executives officers (10%) e directores de Marca/ Comunicação e/ou Marketing (15%).

 

Gestão multigeracional

À pergunta sobre "Qual a necessidade de rejuvenescimento do capital humano da sua empresa" exactamente metade (50%) dos especialistas não hesitaram em afirmar que sim, que é necessário. Se considerarmos os que reconheceram ser muito necessário (27%) ou extremamente necessário (7%) rejuvenescer o capital humano da empresa, ficamos com unia percentagem acumulada de 84%. Apenas 11% consideram ser pouco necessário e 5% nada necessário.

Com esta necessidade de rejuvenescimento coloca-se outra questão: será que as empresas estão preparadas para receber as novas gerações que estão a chegar ao mercado? No caso das organizações dos especialistas do painel, constacta-se que, enquanto 41% ainda se está a preparar, a maioria - 56% - não tem dúvidas de que a sua empresa está preparada (27%), bem preparada (27%) ou até muito bem preparada, ainda que só 2%. E apenas 2% referem que a empresa não está nada preparada.

Em cerca de um ano (no II Barómetro Human Resources, publicado na edição de Novembro de 2016), esta realidade parece não ter evoluído significativamente. Antes pelo contrário. Na 2.ª edição do barómetro, 12% dos inquiridos afirmaram que a empresa estava muito bem preparada e menos 8% que se estava a preparar (33%, em vez dos actuais 41%).

Por outro lado, será que a empresa está bem preparada para aproveitar o know-how e a experiência dos mais seniores, assegurando a transferência de conhecimento para os mais novos? Aqui o optimismo é ainda maior. Ainda que 9% afirmem que a sua organização não está nada preparada e que 25% admitam que ainda se estão a preparar, 67% acreditam que vão conseguir aproveitar esse know-how e experiência, sendo que 39% dizem que a empresa está preparada, 23% bem preparada e 5% muito bem preparada.

Neste contexto, de necessidade de rejuvenescimento das equipas, integrando as novas gerações mas não descurando as mais-valias que representam os colaboradores mais seniores, estarão as empresas a sentir dificuldades na gestão geracional'? Enquanto 43% garantem que a sua empresa não está a sentir dificuldades neste âmbito, 55% reconhecem que está a sentir dificuldades, sendo que 30% dizem serem "poucas" e 25% consideram que são ainda "algumas" dificuldades. Não obstante, ninguém acredita que a empresa está com muitas dificuldades nesta gestão multigeracional.

 

Talento

Recentemente, o Fórum Económico Mundial publicou os resultados do "The Global Human Capital Report 2017", que contemplou 130 países, revelando que Portugal é o terceiro pior país da Europa a aproveitar os seus talentos. Questionámos os profissionais do painel se consideravam estes resultados surpreendentes, 41% não consideram surpreendente e 20% ficam pouco surpreendidos, o que revela que também consideram de que o talento nacional está subaproveitado. No entanto, 25% ficam surpreendidos e 11% afirmam mesmo ficar bastante surpreendidos.

Quando questionados sobre se "a sua organização perspectiva ter em 2018 programas de retenção de talento", a maioria (52%) afirmou que "sim, alguns", enquanto 27% partilharam que "sim, mas poucos" e apenas 9% perspectivam ter muitos programas de retenção de talento.

Por outro lado, 11% admitem que não vai ter programas de retenção de talento.

 

Emprego e salários

Nas três perguntas fixas do Barómetro Human Resources, mais concretamente no que respeita à evolução do emprego em Portugal, continua a tendência positiva: 73% dos inquiridos (na edição passada foram 72%) acreditam que, nos próximos 1,2 meses, a evolução do emprego irá registar um aumento de 0,1% a 3%, mas desta feita ninguém perspectiva um aumento superior a 3%. No espectro oposto, também ninguém acredita que diminua mais de 3%. No entanto, 9% consideram que vai diminuir entre 0,1 e 3%. Há 18% que acreditam que o emprego irá manter-se inalterado em Portugal.

Sobre a evolução do número de colaboradores na empresa, os profissionais mantêm o optimismo, com 50% a afirmar que vai aumentar e 9% a acreditar que vai aumentar mais de 5%. No entanto, esta percentagem acumulada de 59% reflecte uma descida de três pontos percentuais cm relação ao mês passado (61%). Há, assim, mais especialistas - 34% - a considerar que o número de colaboradores se vai manter e apenas 6% acham que vai diminuir (mas não mais de 5%). Esta percentagem é também inferior à do mês passado (11%).

Relativamente à evolução dos salários reais na empresa, também continua a tendência positiva, mas menos acentuada do que no mês anterior: 61% acreditam que os salários vão aumentar entre 0,1 e 3% e 5% revelam que irão aumentar mais de 3% (no mês anterior as percentagens foram 67% e 4%, respectivamente). Para 30%, os salários irão manter-se, enquanto 5% antevêem uma diminuição entre 0,1 e 3%. No XV Barómetro Human Resources, que publicaremos na edição de Janeiro, o terna em destaque será o papel das emoções nas organizações.

 

Consulte aqui a notícia completa

 


 

Fonte: Human Resources | 01-12-2017

Autor: Ana Leonor Martins