31 DEZEMBRO 2012

Recordati Quer

Recordati Quer

A Jaba Recordati apresenta o Recordati Quer, um projecto de responsabilidade social criado pela farmacêutica que, através de três programas específicos e várias parcerias, pretende envolver a empresa e os seus colaboradores na melhoria da qualidade de vida da população envolvente, avança a companhia, em comunicado.

“Quero Sonhar”, “Quero Partilhar” e “Quero o Meu Natal” são os programas que, ao longo de 2012, serão implementados pelas três áreas terapêuticas da empresa através de acções dirigidas à população mais carenciada e instituições de solidariedade sem fins lucrativos, e programas de formação e educação social, para responder às necessidades da comunidade.

Segundo Nelson Pires, Director-Geral da Jaba Recordati, "o projecto ‘Recordati Quer’ pretende demonstrar o nosso compromisso com a construção de uma sociedade mais humana e saudável e estabelecer uma ponte entre os nossos colaboradores e a população, através de acções com as quais pretendemos contribuir o seu bem-estar".

O programa “Quero Sonhar” inclui, entre outras iniciativas:

O Hospital da Bonecada, um jogo faz de conta organizado em parceria com a Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa, onde as crianças têm contacto com o ambiente hospitalar e, de uma forma descontraída, familiarizam-se com um conjunto de instrumentos médicos e profissionais de saúde, frequentemente associados ao medo e à dor;

A associação à Make a Wish Portugal para a realização de desejos de crianças e jovens com doenças que colocam as suas vidas em risco;

E a colaboração para a campanha de angariação de fundos para a CERCIS com a venda de Pirilampos e Pins nas instalações da Empresa.

Em “Quero Partilhar”, destacam-se as acções de envolvimento dos colaboradores, seja na recuperação das instalações de instituições de apoio e solidariedade social do concelho de Oeiras, na campanha “Papel por Alimentos” do Banco Alimentar ou no programa “Menos Sal, Mais Sabor a Vida”, que visa a sensibilização para o excessivo consumo de sal entre a população portuguesa através da realização de workshops e sessões de esclarecimento em 400 instituições de saúde de cuidados primários por todo o país.

A estas iniciativas juntam-se diversas campanhas de recolha de alimentos, brinquedos e roupas junto dos colaboradores da empresa que se destinam a instituições de apoio à terceira idade (URPIFB), de solidariedade social e centros comunitários locais.

Finalmente, o programa “Quero o Meu Natal” destina-se a promover a interacção dos filhos dos colaboradores com as crianças de instituições, proporcionando a todos uma festa divertida.

"Os nossos colaboradores estão comprometidos com a missão e partilha dos nossos valores, desenvolvendo uma cultura de responsabilidade social, que confirma a vocação da Jaba Recordati como empresa de destaque no panorama da Indústria Farmacêutica", acrescenta Nelson Pires.

A execução do "Recordati Quer" é da responsabilidade das áreas comerciais e da equipa de voluntariado da Recordati – WE CARE TEAM.

Mas para tornar tudo possível contamos sempre com a colaboração de todos vós!

 

Os programas que integram o Recordati Quer são:

 

Quero Sonhar

 

 

 

Quero Partilhar

 

 

 

Quero o meu Natal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Programa Oeiras Solidário 2012

Ano: 2012.​

A história do Grupo Jaba começou em 1927, na então pequena Farmácia Universal, em Lisboa, pela mão do farmacêutico José António Baptista d'Almeida (J.A.B.A..), cujo filho faleceu recentemente.

Inicialmente, a empresa dedicava-se à actividade de farmácia e ao comércio de especialidades farmacêuticas, o desejo de ir mais longe na área da Saúde fez com que, decorridos quase 80 anos se tenha transformado num Grupo diversificado, de capital exclusivamente nacional.

A aquisição pelo Grupo Recordati em 2006, grupo contemporâneo da JABA, fundado em 1926 também numa pequena farmácia em Itália, torna a filial portuguesa parte da multinacional. «Apresentamo-nos assim como uma companhia multinacional inovadora (Recordati Group) com "alma portuguesa" que proporciona mais e melhor vida aos nossos cidadãos», esclarece Nelson Ferreira Pires, director-geral e membro do board da Recordati Reino Unido, Irlanda e Portugal.

«Proporcionar a melhor tecnologia de saúde aos cidadãos e aos técnicos de saúde, seja inovação disruptiva ou inovação incremental, que garanta mais e melhor vida», partilha a estratégia da companhia que está presente em inúmeras áreas terapêuticas: cardiovascular, urologia, dor, sistema nervoso central e OTC, gastroentereologia e pediatria bem como nas áreas de cuidados primários e doenças raras.

 

Os trunfos do mercado farmacêutico nacional

Portugal representa 3,6% do grupo Recordati a nível mundial com um nível de facturação de cerca de 45 milhões de euros, sendo a 17ª companhia do ranking nacional, em 200. «Somos líderes de mercado em diversos segmentos, nomeadamente no tratamento do colesterol, hipertensão, gastroentereologia, pediatria, dor e HBP. Temos índices de satisfação e felicidade internos, elevadíssimos.» Tudo isto num mercado que crescia anualmente, em média, 3%. Sendo que para 2020 a companhia antevê uma quebra do mercado de -6% (devido á crise COVID-19 que gerou a redução de 800 mil consultas e episódios de urgência bem como cirurgias programadas) mas pretende acabar o ano melhor que o mercado.

Aliás, como reforço da importância da filial nacional e do reconhecimento pelo grupo Recordati da capacidade de gestão de Portugal, Nelson Ferreira Pires, director-geral e administrador da Jaba Recordati Portugal há três anos, acumulou a direcção da filial do Reino Unido e da República da Irlanda em 2017.

O segredo, diz, está na gestão dos três P: Produtos, Processos e Pessoas. «Temos os melhores produtos, nos mercados onde estamos presentes e queremos estar sempre no top do ranking. Têm de ser produtos diferenciadores e com valor terapêutico acrescentado ou incremental face aos produtos existentes. Temos s melhores processos, seja a nível interno ou externo. A título de exemplo, utilizamos ferramentas de CRM e crowdsourcing para alinhar as nossas estratégias de comunicação. Uma metodologia inovadora que potencia a nossa visão, com a visão do mercado e dos clientes. Temos as melhores pessoas, motivadas, dedicadas, profissionais, éticas, ambiciosas e focadas em poder concretizar a nossa visão: proporcionar mais e melhor vida!», garante. Aos três P, que distingue a companhia da maioria da concorrência, acresce a «agilidade, flexibilidade, assertividade, capacidade de antecipar problemas e oportunidades, empreendedorismo e, acima de tudo, capacidade de decisão local».

A companhia investe todos os anos cerca de 10% dos seus resultados em investigação de novas moléculas, sendo que em Portugal, em 2019, investiu 1,3 milhões de euros em I&D. «Investimos mais de 10% do nosso turnover em formação pós graduada dos nossos técnicos de saúde; investimos um valor elevado na formação dos nossos colaboradores, bem como proporcionamos condições acima da média do mercado. Por isso mesmo, temos sido regularmente reconhecidos a nível nacional e internacional, por sermos uma companhia com as melhores práticas, quer de gestão dos Recursos Humanos, quer ao nível de comunicação dos nossos produtos», detalha Nelson Ferreira Pires, que tem como intenção continuar a investir em Portugal e a manter a filial portuguesa autónoma em termos de gestão, ao contrário de outras multinacionais, cujo centro de decisão se deslocou para Madrid.

 

As ambições, a que o director-geral chama de realistas, são as seguintes:

  • Manter a liderança nos segmentos terapêuticos onde está presente;
  • Continuar com sucesso o lançamento de dois produtos novos até ao final do ano, que irão proporcionar ganhos de saúde acrescidos aos cidadãos nas áreas da esquizofrenia e hipertensão;
  • Manter os índices de felicidade internos;
  • Preparar o lançamento de dois novos produtos em 2021;
  • Manter a posição de importância dentro do Grupo Recordati através da prossecução dos nossos objectivos financeiros e económicos mas acima de tudo, sentirmos que estamos a acrescentar mais e melhor vida aos nossos cidadãos;
  • Melhor vida aos nossos colaboradores e accionistas;
  • Mais e melhor contributo ao SNS e à economia Portuguesa.

Nelson Ferreira Pires diz ter as bases consolidadas para continuar a atingir o potencial total da organização. «Mais ainda quando tivemos toda a estrutura da empresa confinada em trabalho SMART remoto durante três meses, por causa da crise da COVID-19. Encaramos esta dificuldade como uma oportunidade de cultivar a comunicação, os valores organizacionais, demonstrar preocupação pelos stakeholders, comunicar os nossos valores, soluccionar os problemas dos cidadãos e técnicos de saúde, incrementar o nosso programa de responsabilidade social com o Recordati Group a oferecer cinco milhões de euros para aquisição de EPI e a filial portuguesa a contribuir para o programa "cuidar de mim". Outro ponto fundamental para manter os índices motivacionais elevados (sendo uma tarefa difícil), é ter a equipa de direcção certa. Por outro lado, com regras claras, ambiente de justiça interna, proporcionamos oportunidades de carreira interna regularmente, remunerações acima da média e tentamos surpreender sempre a nossa equipa. Não somos uma família nem temos ambição semelhante, mas somos uma organização de pessoas pensada para as pessoas.»

A companhia adquiriu um novo medicamento no tratamento de doenças raras. E está a integrar a inteligência artificial no processo de decisão a nível mundial. «Queremos entregar sempre a melhor experiência de compra aos nossos cidadãos (com os melhores produtos), entregar aos nossos accionistas o valor pelo seu investimento e pela manutenção do mesmo, aos técnicos de saúde e parceiros científicos a segurança de que estão sempre confiantes por estar a utilizar os melhores produtos, aos nossos parceiros comerciais uma relação equilibrada e justa, aos nossos colaboradores (são 132 em Portugal e mais de 4000 em todo o mundo) e suas famílias, garantir que os seus índices de felicidade e satisfação (emocional e financeira) está garantida pela sustentabilidade do nosso projecto. À sociedade, devolver tudo o que de bom nos proporciona, seja em responsabilidade social, seja em respeito pelo meio ambiente, seja mais emprego, seja em investimento no País, seja em colaboração e contribuição para o SNS.

Hoje, Nelson Ferreira Pires sente que há uma maior dificuldade para surgirem novos medicamentos para tratamento das ditas «grandes doenças, que afectam muitos cidadãos», como a hipertensão, o colesterol ou diabetes. «A inovação está verificar-se mais em doenças que tratam menos doentes, o que aumenta substancialmente o custo da I&D e portanto o preço dos medicamentos. Por outro lado, acompanhar a expectativa de longevidade que os medicamentos (associado claro, à melhoria do conhecimento pelos técnicos de saúde e dos meios de diagnóstico) proporcionaram aos cidadãos. Se dantes morríamos aos 50/60 anos, agora a esperança média de vida está acima dos 80 anos em Portugal

 

As prioridades do Grupo para 2020?

«Continuar a implementar a nossa visão e crescer de forma orgânica com os novos produtos mas também através da aquisição de novos produtos e companhias em todo o mundo», acrescenta.

Principais marcos

São inúmeros os principais marcos entre a JABA portuguesa até 2006 e a multinacional desde então:

  • 1926 Fundação do Grupo Recordati
  • 1927 Fundação do Grupo JABA
  • 1927 Lançamento do primeiro produto Recordati, Antispasmina Colica® na área gastrointestinal
  • 1984 Entrada na Bolsa de Milão (Itália) do Grupo Recordati
  • 1995 Lançamento da primeira filial em Espanha
  • 2006 Aquisição do grupo JABA em Portugal
  • 2007 Lançamento do Zanipress® em todo o mundo, fruto da I&D Recordati e a aquisição da Orphan Europe para tratamento de doenças raras
  • 2018 Lançamento do medicamento Reagila®
  • 2019 Lançamento do medicamento Carzap AM®

 


 

Fonte: Executive Digest