30 SETEMBRO 2019

Novidades sobre o Picossulfato nas Preparações Intestinais

A Jaba Recordati organizou uma sessão dedicada à preparação intestinal para colonoscopia. A sessão foi presidida pelo Dr. Bruno Rosa, gastrenterologista no Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães, e contou com a intervenção do Dr. Diego Sánchez Muñoz, diretor médico do Instituto de Especialidades Digestivas INEDI, em Sevilha.

CITRAFLEET®

A Associação de Picossulfato de Sódio com Citrato de Magnésio

O Dr. Diego Sánchez Mufioz começou por lembrar que "o picossulfato de sódio é um pró-fármaco que dá origem a um metabolito ativo no intestino que estimula os movimentos peristálticos. Este fármaco tem uma ação local e apresenta uma absorção mínima a nível do trato gastrointestinal". No caso do citrato de magnésio, o especialista indicou que se trata de "um laxante osmótico que retém água no colón". "A associação do picossulfato de sódio e do citrato de magnésio tem um efeito de limpeza do intestino com estimulação peristáltica" sendo "perfeita para atingir uma boa preparação do intestino antes da colonoscopia", realçou.

Após ter apresentado o mecanismo de ação do picossulfato de sódio e do citrato de magnésio, o especialista mostrou alguma evidência sobre a eficácia desta associação comparativamente ao polietilenoglicol (PEG).

Começou por fazer referência às recomendações europeias — Bowel preparation for colonoscopy: European Society of Gastrointestinal Endoscopy (ESGE) Guideline — que referem que, "quer o regime de preparação intestinal com PEG, quer o regime com picossulfato de sódio e citrato de magnésio, são alternativas válidas, em particular para a colonoscopia em Ambulatório". Já as guidelines americanas — Optimizing adequacy of bowel cleansing for colonoscopy: recommendations from the US multi-society task force on colorectal cancer — indicam que "não existe um aumento significativo da eficácia de picossulfato de sódio e citrato de magnésio quando comparado com o PEG".

Adicionalmente, o preletor fez referência a duas meta-análises, uma europeia e outra americana. A europeia — Systematic review and meta-analysis: Sodium picosulphate with magnesium citrate as bowel preparation for colonoscopy — comparou a eficácia do picossulfato de sódio associado ao citrato de magnésio e do PEG em termos de limpeza do intestino e concluiu que "o picossulfato de sódio + citrato de magnésio é ligeiramente mais eficaz que o PEG" e "deve ser considerado o regime standard para preparação do intestino antes da colonoscopia". A meta-análise americana — Sodium picosulphate or polyethylene glycol before elective colonoscopy in out-patients? A systematic review and meta-analysis — teve como objetivo determinar qual a melhor opção para preparação intestinal antes da colonoscopia (picossulfato de sódio + citrato de sódio ou PEG) e mostrou que, em termos de eficácia, "as taxas de sucesso na limpeza intestinal foram semelhantes" nos dois regimes. 

O Dr. Diego Sánchez Mufioz informou ainda que recentemente surgiu "um regime com PEG+ASC que necessita apenas de um litro de solução" em detrimento do anterior que necessitava de dois litros. O estudo Colon cleansing efficacy and safety with 1 L NER1006 versus sodium picosulfate with magnesium citrate: a randomized phase 3 trial comparou a eficácia, segurança e tolerabilidade desta nova solução de PEG com a associação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio. Observou-se que "o PEG+ASC um litro foi mais eficaz que o picossulfato de sódio + citrato de magnésio e que metade dos doentes que tomaram este último regime não teve uma boa preparação do intestino" antes da colonoscopia.

No entanto, o gastrenterologista salientou que "é preciso ter atenção quando olhamos para este estudo" por exemplo, as diferenças no cólon direito, em termos de limpeza intestinal de elevada qualidade, "são apenas de 4% para os doentes que tomaram PEG para 1% nos doentes que tomaram picossulfato de sódio + citrato de magnésio". Estes resultados "não são clinicamente relevantes para fazerem a diferença".

O especialista clarificou ainda que "neste estudo a colonoscopia foi realizada no segundo dia e todos os doentes fizeram a preparação intestinal no dia anterior, porém o horário da preparação foi diferente nos dois grupos". Ou seja, "os doentes que tomaram PEG+ASC um litro começaram a preparação intestinal às 18 horas do dia anterior e a segunda dose foi administrada às 20 horas. Os doentes tratados com picossulfato de sódio tomaram a primeira dose às 8 horas do dia anterior e a segunda às 16 horas, o que significa que houve um intervalo de 16 horas entre a última dose de picossulfato de sódio e citrato de magnésio e a colonoscopia". Segundo o preletor "são necessários mais estudos" que comparem o picossulfato de sódio e citrato de magnésio ao novo regime de PEG com um volume mais reduzido.

TOLERABILIDADE

Na preparação intestinal para colonoscopia, "a tolerabilidade é um aspeto muito importante, pois a maioria dos doentes submetidos a colonoscopia provavelmente vão repetir o exame no futuro", explicou o palestrante. De acordo com a meta-análise europeia acima referida, "o picossulfato de sódio foi mais bem tolerado em todos os estudos que foram incluídos e teve melhor aceitação por parte dos doentes", quando comparado com o PEG. "Estes resultados repetem-se na meta-análise americana", acrescentou. Adicionalmente, no estudo que comparou o regime de picossulfato de sódio e citrato de magnésio com o regime de PEG com menor volume, "os doentes preferiram a preparação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio", sublinhou. 

PERFIL DE SEGURANÇA

De acordo com o Dr. Diego Sánchez Mufioz, a associação de picossulfato de sódio com citrato de magnésio é "altamente eficaz e apresenta uma elevada tolerabilidade", mas é necessário conhecer o seu perfil de segurança. Neste sentido, o preletor voltou a fazer referência à meta-análise americana que "mostra uma favorabilidade do picossulfato de sódio e citrato de magnésio em relação ao PEG em termos de eventos adversos na totalidade". Particularmente, para os eventos mais frequentes — náuseas, vómitos e inchaço abdominal — "a associação também obteve melhores resultados". No entanto, observou-se uma maior frequência de tonturas nos doentes tratados com picossulfato de sódio e citrato de magnésio. De acordo com o preletor, "este efeito está muito relacionado com o balanço hidro-eletrolitico".

 

"A tolerabilidade é um aspeto muito importante, pois a maioria dos doentes submetidos a colonoscopia provavelmente vão repetir o exame no futuro".
De acordo com a meta-análise europeia, "o picossulfato de sódio foi mais bem tolerado em todos os estudos que foram incluídos e teve melhor aceitação por parte dos doentes".

POPULAÇÕES ESPECIAIS

Quanto à utilização da associação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio em populações especiais, o gastrenterologista começou por falar nas crianças, indicando que, de acordo com as guidelines americanas, "não existe evidência para recomendar um regime especifico para preparação do intestino". No entanto, o estudo Bowel Preparation for Gastrointestinal Endoscopic Procedures With Sodium Picosulphate-Magnesium Citrate Is an Effective, Safe, and Well-Tolerated Option in Pediatric Patients: A Single-Center Experience, publicado em 2018, concluiu que a "a associação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio é eficaz, bem tolerada e segura em doentes pediátricos submetidos a colonoscopia".

No caso dos doentes idosos, as mesmas guidelines referem também que "a evidência é insuficiente para recomendar um regime especifico de preparação intestinal". Segundo o preletor, "estes doentes têm mais probabilidade de terem complicações e é preciso individualizar". Em relação às grávidas, "não existem estudos nem recomendações", afirmou o orador. Porém, "na amamentação, a associação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio pode ser utilizada", pois o picossulfato de sódio não é absorvido pelo trato gastrointestinal.   

MENSAGEM FINAL

No final da sessão, o Dr. Diego Sánchez Murioz reforçou que "a associação de picossulfato de sódio e citrato de magnésio tem uma maior eficácia que o PEG, é muito bem tolerada e aceite pelos doentes e tem um perfil de segurança favorável". 

 


Fonte: Medico News | 30/09/2019