+351 21 432 95 00



90 ANOS │ JABA RECORDATI

Jaba Recordati | Noventa anos ao serviço da saúde em Portugal

A aproximar-se a passos largos do centenário, o Grupo Jaba reuniu o ADN português e mais capacidade de inovação italiana numa fórmula bem-sucedida. 

O Grupo Jaba foi fundado pelo farmacêutico José António Baptista d'Almeida (J.A.B.A.), em 1927, na Farmácia Universal, em Lisboa.

Em 2006 é adquirido pelo grupo internacional Recordati, que representou a consolidação das suas áreas de negócio e dos centros de I&D.

A Jaba Recordati é, desde Dezembro de 2006, a subsidiária em Portugal da Recordati, cotada na bolsa de Milão.

A marca Jaba evoluiu para Jaba Recordati a partir da aquisição pela Recordati. Comesta mudança, a companhia, além de comercializar produtos farmacêuticos sob licença, iniciou a comercializa- ção de produtos inovadores de investigação Recordati.

A subsidiária portuguesa da multinacional farmacêutica de origem italiana, Recordati Group, que fatura anualmente cerca de 1.047 milhões de euros por ano, atua em quatro áreas de negócio: produtos inovadores sujeitos a prescrição médica, genéricos, produtos de venda livre e "orphan drugs" (medicamentos para doenças raras). A subsidiária portuguesa foi responsável em 2015 por um volume de negócios de 39 milhões de euros, correspondente a cerca de 3,7% da faturação global do Grupo Recordati.

O peso da atividade em Portugal mantém-se acima do mercado do Reino Unido.

A Jaba Recordati, além de Portugal, tem operações nos PALOP, nomeadamente Angola, Cabo Verde e Moçambique, e muito recentemente Nigéria e Guiné-Bissau.

Em Portugal, a farmacêutica emprega 132 pessoas, que Nelson Ferreira Pires, Diretor-Geral da Jaba Recordati, considera serem fundamentais para o sucesso. "O nosso sucesso, alinhado com o posicionamento internacional do Recordati Group, assenta em três pressupostos, internamente apelidados de '3 >P': pessoas, produtos e processos.

Estes são os 'critical success factor' para a obtenção dos nossos resultados e prossecução dos nossos objetivos em realização da nossa missão de acrescentar mais e melhor vida", sublinha Nelson Ferreira Pires.

A Jaba Recordati procura desta forma distinguir-se, pelo seu ADN e na forma como entende a sua força de trabalho.

Para a empresa, os seus profissionais são encarados como clientes internos que, de forma a alcançarem os objetivos que lhes foram propostos, necessitam de uma estrutura que através de políticas e procedimentos lhes garanta todas as condições para que o seu foco esteja na concretiza- ção desses objetivos.

O Diretor-Geral da Jaba Recordati explica que a estratégia da multinacional "sempre foi `glocal'", ou seja, os princípios são globais, mas a aplicação é local, com as variáveis da cultura e enquadramento local, permitindo o empreendedorismo local. São exemplo dessa localização a disponibilização de produtos inovadores, como foi o caso de um produto alimentar novo (único no universo Recordati) que era um sal sem sódio (um sal que não faz mal, nem contribui para a doença cardiovascular, Sal&Vida). A internacionalização da filial portuguesa para os mercados africanos, o início de um projeto de "e-leaming" local, ou as ferramentas de "crowdsourcing" local são apenas algumas das iniciativas de especificidade apenas portuguesa, enumeradas pelo responsável. "Mantemos os princípios de rigor financeiro, ética e deontologia, foco no negócio de forma sustentável, respeitos pelos `stakeholders' e `shareholders', lançamento de produtos inovadores que acrescentam benefícios para os cidadãos e para a sociedade", conclui Nelson Ferreira Pires.  

A estratégia da Recordati foi sempre ‘glocal'. Princípios globais com aplicação local, respeitando as variáveis da cultura local.  

 

Perguntas a Nelson Ferreira Pires, Diretor-Geral do Grupo Jaba  

 

    

                                                    

 

 

 

 

 

Nelson Pires,

Diretor-Geral da Jaba Recordati. 

Inovação farmacêutica passa pela Jaba Recordati  

A empresa assume que o único "driver" de crescimento no médio e longo prazo passa pela investiga- ção e o desenvolvimento de novos produtos.

A inovação é um dos principais trunfos para se manterem competitivos no mercado farmacêutico?

A inovação é a única forma que as empresas têm de sobreviver neste mercado, pois com a política de preços baixos nos medicamentos mais antigos, a entrada de genéricos e a desigualdade que o estado português promove a este tipo de produtos faz com que a única forma de crescer seja através de inovação.

O que é positivo para os doentes, mas afasta os técnicos de saúde de soluções terapêuticas mais antigas, mas com validade terapêutica elevada, aumentando os custos do tratamento.

Por outro lado, surgem medicamentos totalmente disruptivos que curam e erradicam doenças.

Em suma, a inovação é o único "driver" de crescimento no médio e longo prazo, sendo essa a cultura empresarial da Jaba Recordati, que nos permitirá atingir o objetivo de crescimento médio de +7% anual (nos próximos três anos).

Estimamos que daqui a três anos, os produtos inovadores representem mais de 70% do "turnover" da companhia.

Como é produzida essa inovação e de que forma a aplicam na vossa oferta?

O Grupo Recordati investe mais de 8% do seu "turnover" anual em I&D (são mais de 80 milhões de euros).

Destacamos por isso uma dinâmica excepcional da nossa empresa através do lançamento de medicamentos inovadores, sejam investigação Recordati, sejam fruto de parcerias estabelecidas.

A inovação que produzimos resulta dos centros de I&D bem como de parcerias com outras empresas e têm como objetivo sempre acrescentar mais e melhor vida aos nossos doentes.

A grande limitação é que temos os preços mais baixos da Europa e Portugal influencia o preço (reduz) em mercados de maior dimensão, pelo que muitas vezes é muito difícil ter inovação no nosso país pela dificuldade regulamentar bem como pelos baixos preços.

Em que áreas em que atuam?

As principais áreas terapêuticas e produtos são das áreas cardiovascular, urologia, dor, gastroenterologia, pediatria, OTC e genéricos, sendo os principais produtos os seguintes: hipertensão — Zanipress®; dislipidémia Livazo®; urologia — Urorec®; dor — Transact Lat®; e Citrafieet® (preparado para a colonoscopia). No entanto, os produtos que mais se associam à nossa empresa são os de venda livre, como Guronsan® e Microlax®.

Somos a 15ª companhia do "ranking" farmacêutico (em mais de 200 a operar em Portugal) representando 1,8% do mercado (em euros).

Além do medicamento, também atuam em outras áreas médicas. Quais?

Temos uma área de "medicamentos órfãos" (para tratar doenças raras) que salvam vidas, urna área de suplementos alimentares e dispositivos médicos de pequena dimensão.

Finalmente uma área de produtos OTC muito dinâmica na nossa companhia.

Quer com produtos como Guronsan®, TransAct Lat®, Aloclair®, Euphon®, Microlax®; ou seja, marcas muito conhecidas e consumidas pelos portugueses.

Estamos neste momento a finalizar a análise de um novo produto.

Pretendemos lançar um novo OTC por ano, quer seja na área da saúde oral, bem-estar e estilos de vida, ou então na área de pediatria.

 


 

In Negócios - Negócios em Rede | 11-05-2016