01 DEZEMBRO 2017

Histórias de Crescimento

O sucesso pode ser medido das mais diferentes formas, mas nas empresas traduz-se, a mioria das vezes em longevidade e crescimento, fruto de urna boa gestão dos recursos, talento e capacidade de adaptação e transformação.

Os CTT dispensam apresentações. São quase 500 anos de história, diariamente na vida dos portugueses, com reconhecimentos internos e externos, fruto do trabalho que tem desenvolvido. Tem sabido transformar o negócio e adaptá-lo às necessidades, seja através da incorporação de tecnologia nos anos mais recentes para dinamizar e reforçar a relação com os clientes ou da criação de novos serviços e produtos para facilitar a vida dos mesmos. A solidez financeira, o negócio do correio com rentabilidade atractiva e líder em Portugal, uma contínua gestão operacional eficiente, uma equipa de gestão qualificada e colaboradores com vasta experiência no sector, são apenas algumas das vantagens competitivas que decorrem da sua história e posição única no mercado. A sua capacidade de reinvenção e de integração de inovação levaram a que inclusive recebesse recentemente o Prémio Excelência Logística 2017, pelo projecto da Nova Arquitectura da Rede de Produção e Logística. Além disso, a preocupação com a sustentabilidade é outra das características da empresa que é pioneira em Portugal na utilização de electricidade 100% renovável em todos os consumos da companhia.

 


500 ANOS DE HISTÓRIA

OS CTT, COM QUASE 500 ANOS DE HISTÓRIA, ENTRAM DIARIAMENTE NA VIDA DOS PORTUGUESES, COM RECONHECIMENTOS INTERNOS E EXTERNOS, FRUTO DO TRABALHO QUE TEM DESENVOLVIDO


 

Na Jaba Recordati, a filial portuguesa da Recordati Group, o reconhecimento pela casa-mãe do trabalho desenvolvido em Portugal traduziu-se em novos negócios, com a responsabilidade pelos mercados dos PALOP onde o grupo está presente. Nada é fruto do acaso. As três premissas que guiam a farmacêutica - produtos, pessoas e processos - são a fonte do seu crescimento e consequente sucesso. Mesmo como desafio do peso reduzido do país no mercado farmacêutico global, a Jaba Recordati diferencia-se por manter o centro de decisão em Portugal - ganhou inclusive o mercado do Reino Unido e Irlanda -, por tentar lançar produtos inovadores e continuar a investir no país. Além disso, tem consciência do seu papel no desenvolvimento da sociedade, pelo que retribui com iniciativas cujo impacto se reflecte na melhoria do bem-estar de pessoas e instituições.

 


NA JABA RECORDATI, A FILIAL PORTUGUESA DA RECORDATI GROUP, O RECONHECIMENTO DO TRABALHO DESENVOLVIDO EM PORTUGAL TRADUZIU-SE EM NOVOS NEGÓCIOS, COM A RESPONSABILIDADE PELOS MERCADOS DOS PALOP


 

Ser diferenciador é um dos apanágios da Lift, uma agência de comunicação de vanguarda nas palavras do CEO, Salvador da Cunha. O mercado das relações públicas tradicionais tem mudado muito nos últimos anos e a Lift tem conseguido acompanhar essa mudança e muitas vezes antecipá- la, criando novas áreas de negócio como o Digital, Conteúdos, Influencer Marketing ou Activação, em prol da melhoria do serviço ao cliente. O Digital foi a área que mais cresceu este ano, mas a próxima tendência serão os conteúdos, o vídeo e as campanhas, antecipa a empresa. A responsabilidade social corporativa, a inovação social e o employer branding são também áreas em que o grupo se revê, incentivando estas práticas no seio das suas empresas e dos seus clientes.

Uma ideia inovadora no final da década de 70 deu lugar à maior competição de estratégia e de gestão do inundo. O Global Managernent Challenge, da SDG, está actualmente presente em 32 países e não vai ficar por aqui. Já está em negociações para incluir Moçambique, Mali, Libéria, Timor-Leste, Austrália e Nova Zelândia no rol de mercados que vão poder contar com a competição e reforçar assim a internacionalização. O segredo do seu sucesso é a contente adaptabilidade do simulador aos temas prementes da actualidade, seja geopolítica ou económica. De tal forma que anualmente participam cerca de 5500 equipas nesta competição. Além do GMC, a SDG tem outras duas linhas de negócio: a Formação e o Global Investment Challenge, cuja internacionalização já está a ser pensada.

Em 30 anos de vida, a Verallia Portugal alinhou a sua estratégia com as necessidades crescentes do mercado, sem esquecer a poupança de recursos ambientais, segurança e sustentabilidade.

A multinacional de fabrico e comercialização de vidro de embalagem, sediada na Figueira da Foz, a par dos desenvolvimentos tecnológicos que têm incrementado a produção, criou urna cultura de boas práticas pessoais, onde cada um dos colaboradores pode desenvolver continuamente as suas capacidades, com enfoque na saúde, segurança e bem-estar.

Mas as boas práticas ambientais também são parte central da empresa e continuarão a ser uma prioridade na Verallia Portugal, já que é necessário garantir que os produtos não interferem com a Natureza desde a sua criação até ao momento em que são reciclados. Estas práticas estendem- se a todos os Sistemas de Gestão pelos quais a empresa se encontra certificada.

 


 

Fonte: Executive Digest | 01-12-2017

A Ética (Ethos grego – caracter, comportamento) é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. O que é a Ética? O que é ilegal e proibido; mas o que poderá ser imoral não é necessariamente ilegal. A ética, embora não possa ser confundida com a legislação, está relacionada com o sentimento de justiça social. A nível corporativo, a ética empresarial determina a conduta moral de uma empresa, seja ela pública ou privada.

A Ética é apenas teoria (conjunto de princípios que tentam discernir o bem e o mal, o que significa optar pelo bem) e a moral é prática (ou seja na hora de atuar temos que atuar moralmente; entre o certo ou errado, significa optar pelo certo). A ética ilumina a conduta moral: fazer um aborto legalmente aprovado é ético mas pode ser imoral para algumas pessoas.

Quando o termo Ética vem à discussão, falamos de integridade e confiança, respeito pela diversidade, implementação de comportamentos correctos. Do ponto de vista empresarial falamos de compliance e governance Issues (legislação, auto-regulação, meio ambiente, fiscal and monetary reporting statutes). Os processos de decisão empresariais devem-se concentrar na proteção dos direitos das pessoas, dos funcionários e clientes, assegurando que todas as operações sejam honestas, justas, íntegras, respeito; protegendo o bem comum e garantindo que os valores e crenças individuais dos trabalhadores e cidadãos sejam protegidos.

Importa ainda referir quais as dimensões das práticas de negócios que podem ser suscetíveis de comportamentos não éticos e para os quais deveremos estar muito atentos:

  • Conflitos de interesses através da exposição dos clientes e colaboradores no que respeita a prendas, ofertas, convites, transações de valores e transacções particulares,
  • Relações interpessoais e chefes-subordinados, relações com clientes, fornecedores , parceiros e reguladores,
  • Qualidade e segurança dos produtos e serviços prestados e prática de concorrência leal,
  • Igualdade de oportunidades, não discriminação e reserva da intimidade da vida privada dos colaboradores, garantia de segurança e bem-estar no local de trabalho,
  • Relações com a comunicação social e práticas de marketing e publicidade,
  • Responsabilidade social e desenvolvimento sustentável,
  • Ser um transmissor de “fake news”.

Este conceito que tem milhares de anos, tem um valor enorme actualmente, no mundo digital e social, em que todos temos direito a influenciar a opinião dos outros, sem filtros, quer a nível individual e corporativo. Em todas estas áreas de intervenção temos oportunidade de reforçar o nosso posicionamento ético nas nossas relações privadas e nos negócios e como “à mulher de César não basta sê-lo, mas também parecê-lo”, deveremos ser extremamente sensíveis a todos os sinais negativos que possam surgir.

 

Por Nelson Pires, General Manager da Jaba Recordati


Fonte: Executive Digest