29 MAIO 2020

A inevitável transformação

As grandes questões para este fórum de gestores são os projetos de biotecnologia e a transformação da indústria do medicamento, e ainda o tema da inovação e a dinâmica que cria.
Vítor Norinha

A biotecnologia está a transformar a indústria do medicamento. O resultado é avanços significativos a nível da saúde humana ao oferecer uma grande variedade de soluções terapêuticas para doenças como alguns tipos de cancro e doenças autoimunes. Esta é uma das questões colocadas a gestores de farmacêuticas sobre o futuro.

Mas quisemos ainda saber o potencial da inovação no medicamento, e as respostas não poderiam ser mais afirmativas: a inovação no setor farmacêutico permitiu evoluções significativas na medicina nos últimos 30 anos.

Acabaram muitas doenças fatais graças aos novos medicamentos.

Mas há grandes desafios que obrigam a mais e melhor inovação. Há desafios como a evolução demográfica, o envelhecimento e as pandemias como a que nos tem assolado em 2020, que têm de ter respostas.

 

Rui Rijo Ferreira

Marketing Director da Jaba Recordati

“Os projectos de biotecnologia estão a transformar a indústria do medicamento no mundo, e, obviamente também em Portugal. Desde logo no modelo de investigação e desenvolvimento na Indústria Farmacêutica que há muito que se adaptou a esta realidade.

Os centros de investigação básica independentes ou ligados a universidades e as startups, passaram a estar na génese dos novos projectos.

No entanto, este tipo de organizações, não tem nem as competências nem os recursos para as diferentes fases do processo de desenvolvimento e posterior comercialização de um novo fármaco e vão ter de encontrar um parceiro que reúna as condições necessárias e veja potencial no projecto. Uma Farmacêutica.

Esta sinergia tem sido fundamental para ir da descoberta ao fármaco, passando pelas várias fases de teste necessárias para o fármaco poder ser usado em humanos.

Atualmente o peso da biotecnologia é mais relevante no âmbito do medicamento de uso essencialmente em meio hospitalar (como tratamento de cancro por imunoterapia), nas doenças infecciosas negligenciadas ou para o tratamento de doenças raras, do que por exemplo, no mercado ambulatório de medicamentos sujeitos a receita médica ou de venda livre. Mas também aqui a biotecnologia vai ganhando um protagonismo crescente com a explosão do conhecimento básico em torno da microbiota e o aparecimento dos probióticos.”

 


 

Fonte: O Jornal Económico