Cólon e Patologias do Sistema Gastrointestinal

O Cólon

O cólon é um órgão muscular capaz de absorver mais de 90% do fluido que entra no corpo.1

 

Patologias do Cólon

Há uma série de doenças e condições que afetam o sistema gastrointestinal.

As mais comuns são:1

 

Prisão de ventre ou Obstipação

A prisão de ventre ou obstipação é uma condição do sistema digestivo em que as fezes ficam duras e há dificuldade na expulsão. Em casos graves, pode ocorrer impactação do intestino e, nos casos muito graves de obstrução do intestino pode ser necessário recorrer a cirurgia.2

Existem vários fatores associados à doença:

  • Dieta;
  • Predisposição genética;
  • Efeito secundário a um medicamento;
  • Fatores biológicos;
  • Transito intestinal lento;
  • Falta de resposta ao desejo de defecar.

 

Síndrome do Intestino Irritável

O síndrome do intestino irritável (SII) é uma condição do sistema digestivo que causa crise de cólicas, inchaço, diarreia e/ou obstipação.1

 

Sintomas do Síndrome do Intestino Irritável (SII)

A síndrome varia entre indivíduos, afetando cada pessoa com diferentes graus de severidade. É habitual, em períodos de maior stress, as contrações aumentarem ou diminuírem, tendo como consequências a obstipação ou diarreia.1

 

Doença Inflamatória Intestinal (DII)

A doença intestinal inflamatória é composta por colite ulcerosa e doença de Crohn, ambas sem causa conhecida. Investigadores acreditam que o aparecimento destas patologias deve-se a uma resposta anormal do sistema imunológico.1

 

Colite Ulcerosa ou Doença de Crohn

Ambas as doenças causam inflamações e feridas no revestimento do trato digestivo, que levam a distúrbios intestinais1 - diarreia severa, dor, fadiga e perda de peso.

A colite ulcerosa é confinada ao intestino grosso, enquanto a doença de Crohn pode aparecer em qualquer parte do trato gastrointestinal.1

 

Cancro Colorretal

O cancro do colon e recto afeta maioritariamente adultos de idade avançada, no entanto é possível de ser diagnosticado em pessoas de qualquer idade.3

 

O colon é o nome com que se identifica a parte final do intestino grosso. O cancro do colon é diagnosticado quando os pólipos - pequenos aglomerados de células, sofrem alterações no DNA e tornam-se cancerígenas.3

Os pólipos continuam a dividir-se, mesmo sendo cancerígenos, começando a formar tumores e a expandir do cólon ou do recto em direcção ao interior do intestino.3

Por vezes os pólipos são reduzidos e causam poucos sintomas ou sintomas insignificantes, não sendo identificada a anomalia pelo utente, daí ser fundamental a realização regular de exames de rastreio.3

 

É recomendado o rastreio periódico do cancro colon e recto a partir dos 50 anos (altura em que a prevalência da doença aumenta). Caso se conheçam fatores de risco, deve iniciar-se mais cedo.3

 

A prevenção do cancro do cólon passa pela realização de exames e pela remoção de pólipos antes de serem cancerígenos.3

 

Sintomas do Cancro Colorretal

Sintomas identificados em utentes que sofrem cancro do colón:3

  • Diarreia, obstipação ou alteração na consistência das fezes;
  • Sangramento rectal ou nas fezes;
  • Desconforto abdominal continuado: gases, dor, sensação de intestino cheio;
  • Cansaço ou fadiga;
  • Perda de peso abrupta.

 

Descrição dos Estádios do Cancro do Cólon

Após ser diagnosticado com cancro do cólon, o utente realiza uma série de exames que irão determinar em que estádio se encontra o cancro. O estádio ajuda a determinar o nível do cancro e o tratamento que deve ser adoptado.4

Existem 4 (IV) estádios no total. Quanto maior o estádio mais avançado o cancro. Isto significa que o tratamento poderá ser mais agressivo.4

 

Estádio 0

As células anormais são encontradas na mucosa (camada mais interna) da parede do cólon.4

O estádio 0 também é chamado de carcinoma in situ.4

 

Estádio I

O cancro formou-se na mucosa (camada mais interna) da parede do cólon.4

 

Estádio II

O cancro do cólon é dividido em:4

  • Estádio IIA
  • Estádio IIB
  • Estádio IIC

Estádio IIA
O cancro espalhou-se através da camada muscular da parede do cólon para a serosa (camada mais externa da parede do cólon).4

Estádio IIB
O cancro espalhou-se através da serosa, mas não chegou aos outros órgãos mais próximos.4

Estádio IIC
O cancro disseminou através da serosa para os órgãos mais próximos.4

 

Estádio III

O estádio do cancro do cólon é dividido em:4

  • Estádio IIIA
  • Estádio IIIB
  • Estádio IIIC

Estádio IIIA
O cancro cresceu através da mucosa até a submucosa. Espalhou-se 1 a 3 linfonodos ou para áreas de gordura próximas.4

Estádio IIIB
O cancro desenvolveu-se nas camadas mais externas do cólon, recto ou do peritónio visceral, no entanto não atingiu os órgãos próximos. Estendeu-se a 1 ou 3 gânglios linfáticos.4

Estádio IIIC

  • O cancro espalhou-se através da serosa (camada mais externa da parede do cólon), mas não apanhou os órgãos próximos. O cancro disseminou para pelo menos 4 mas não mais de 6 linfonodos próximos.4
  • O cancro dispersou através da camada muscular da parede do cólon para a serosa, mas não se espalhou para órgão mais próximos. O cancro aumentou para 7 ou mais linfonodos.4
  • O cancro espalhou-se através da serosa para os órgãos próximos. Apanhou mais gânglios linfáticos e formaram-se células cancerosas nos tecidos pertos dos gânglios linfáticos.4

 

Estágio IV

O estádio do cancro do cólon é dividido em:4

  • Estádio IVA
  • Estádio IVB
  • Estádio IVC

Estádio IVA
O cancro pode ter-se espalhado através da parede do cólon e pode ter chegado aos outros órgãos ou linfonodos próximos. Ou pode ter chegado a um órgão que não está perto, como o fígado, pulmão ou ovário.4

Estádio IVB
O cancro disseminou através da parede do cólon e alcançou outros órgãos ou nódulos linfáticos que não estão próximos.4

Estádio IVC
O cancro cresceu através da parede do cólon ou do recto. Pode ter-se espalhado para linfonodos e órgãos distantes.4

 

Tratamento

Tratamento realizado em utentes com cancro do colón:3

  • Cirurgia;
  • Radioterapia;
  • Quimioterapia;
  • Tratamentos medicamentosos;

 

Fatores de Risco3

  • Idade avançada;
  • Inflamação intestinal regular;
  • Histórico familiar de cancro do cólon;
  • Estilo de vida sedentário;
  • Diabetes;
  • Obesidade;
  • Álcool;
  • Tabagismo;
  • Radioterapia realizada anteriormente no tratamento de outros problemas.

 


 

Referências

1. Azzouz, L. L. e Sharma, S. (2018) Physiology, Large Intestine, ncbi. StatPearls Publishing. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29939634 (Acedido: 19 de Junho de 2020).

2. Forootan, M., Bagheri, N. e Darvishi, M. (2018) «Chronic constipation», NCBI. Lippincott Williams and Wilkins.

3. Colon Cancer. Mayo Clinic (2019). Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/colon-cancer/symptoms-causes/syc-20353669 (Acedido:22 de junho de 2020).

4. Colorectal Cancer Stages (2018) American Cancer Society. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/colon-rectal-cancer/detection-diagnosis-staging/staged.html (Acedido: 22 de Junho de 2020).