+351 21 432 95 00



O QUE É A HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA (HBP) / HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB)?

A Hiperplasia Benigna da Próstata ou Hiperplasia Prostática Benigna ​é uma patologia muito frequente nos homens e aumenta de frequência com a idade.

Anteriormente designada por “hipertrofia benigna da próstata” - porque existe de fato um aumento do tamanho da mesma - a designação atual de “hiperplasia” traduz a ocorrência de um aumento do número de células do órgão, que é o fator principal e causador da doença.

Infelizmente, não existe uma definição precisa de Hiperplasia Benigna da Próstata.

Tal facto complica não só a interpretação dos estudos em que se avalia a frequência da doença, como pode mesmo levar a alguma confusão no diagnóstico.

Quando se fala de Hiperplasia Benigna da Próstata pode estar a designar-se uma de três condições, que podem ou não coexistir:

- o aumento do tamanho da próstata (isto é, um aumento, benigno, do volume do órgão)

- a obstrução causada pelo aumento de volume e consequente redução do calibre da uretra

- as queixas (“sintomas”) do aparelho urinário inferior, que, ao contrário do que se pensava anteriormente, podem ou não ser provocados pela próstata. Estes sintomas são frequentemente chamados de LUTS (do inglês “lower urinary tract symptoms”).

 

QUEM É AFETADO PELA HBP (HPB)?

Estudos revelam que a HBP está presente em: 

- 8% dos homens com idades compreendidas entre os 31 e os 40 anos;
- Até 50% dos homens com idades compreendidas entre os 51 e os 60 anos;
- >80% dos homens com mais de 80 anos.

 

QUEIXAS PROVOCADAS PELA PRÓSTATA – SINTOMAS DO APARELHO URINÁRIO INFERIOR

Não sendo geralmente uma doença muito grave, que coloque a vida em risco (embora isso possa acontecer se a doença evoluir durante muito tempo sem ser devidamente tratada), manifesta-se clinicamente através de um conjunto de queixas (os referidos sintomas de LUTS), que diminuem significativamente a qualidade de vida dos doentes.

Tem, por isso, marcadas implicações na vida dos homens a partir dos 45-50 anos, podendo causar sintomas significativos em até 30% dos homens com mais de 65 anos.
    
A próstata pode causar sintomas como aumento das micções durante a noite, uma vontade frequente e por vezes muito urgente para urinar (podendo mesmo causar incontinência), jato fino e fraco, um esvaziamento incompleto da bexiga, a existência de gotejo no final das micções (ocorrem frequentemente “pingos” após o doente urinar) ou dificuldade em iniciar a micção. Em casos mais graves, podem ocorrer infeções urinárias, sangue na urina, formação de cálculos (“pedras”) na bexiga, pode ocorrer retenção urinária (“urina presa”) implicando a colocação de um cateter na bexiga para retirar a urina do seu interior ou causar mesmo uma insuficiência renal, isto é, causando uma diminuição da função dos rins.

 

COMO PODE A HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA AFETAR A ROTINA DIÁRIA? 

A Hiperplasia Benigna da Próstata pode provocar franca alteração da qualidade de vida, podendo mesmo causar diminuição da produtividade e absentismo.

Embora seja considerada uma perturbação que não ameaça a vida, é claramente uma patologia que pode ser debilitante.

Os sintomas urinários causados pela HBP podem ter um impato significativo na vida do homem.

Os sintomas de “prostatismo” podem incomodar substancialmente os doentes e interferir com as atividades diárias e de lazer.

É também uma fonte de ansiedade e constrangimento, podendo interferir com o sono e conduzir a problemas do foro sexual.

Diversos instrumentos de avaliação demonstraram que a gravidade dos sintomas está diretamente relacionada com uma diminuição da qualidade de vida. 

 

TRATAMENTO DA HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA

Existem atualmente muitas formas de tratar a Hiperplasia Benigna da Próstata. Alguns doentes não precisam de tratamento, se as queixas são ligeiras.

Outros doentes precisam de tomar medicamentos.

Existem diversos tipos de medicamentos, com diferentes ações, que podem reduzir as queixas e melhorar muito a qualidade de vida dos doentes.

Finalmente, noutros doentes, os medicamentos podem deixar de ser eficazes após algum tempo de tratamento; nestes casos, pode ser necessário efetuar outras técnicas de tratamento; estas podem ser minimamente invasivas (por exemplo, quando se utilizam lasers para o tratamento da próstata) ou ser mesmo necessária uma cirurgia (quer através da uretra quer a cirurgia clássica, “aberta”).

Adaptado de: Tudo que sempre quis saber sobre a Próstata, por Dr. José Santos Dias, Edição LIDEL.

 

Para mais informações, consulte os sites :

Internacional da Recordati: www.recordati.it
Infomed no site do Infarmed